Várzea Grande/MT,
-
1 Usuário Online
Já temos  visitas
desde o dia 03/03/2008
  MENU
  FILOSOFIA
  TEOLOGIA
- Sites de Teologia
- Sites de Filosofia
- A Ética Filosófica em Tomás de Aquino
- Humildade e exaltação: A dinâmica do amor
- Deus é um seio – Narrativas evangélicas
- Marxismo: A “sacrossanta” anulação do amor ao próximo por amor à humanidade
- Deus, Filosofia e Vida – Uma primeira aproximação
Tomás de Aquino
Postado em:02/04/2016 às 15:51 
A Ética Filosófica em Tomás de Aquino
Como diria Gonzaguinha, começaria tudo outra vez, se preciso fosse! Certamente não da mesma forma, até porque  nu...
Postado em:28/03/2015 às 23:49 
Humildade e exaltação: A dinâmica do amor
Apesar de lançado agora, há muito escrevi este artigo. O autor do livro do Eclesiástico afirma: “Não ordenou a ninguém s
Postado em:01/03/2015 às 15:28 
Deus é um seio – Narrativas evangélicas
No filme de Mel Gibson, A Paixão de Cristo, o que mais me impressionou foi a absoluta fidelidade de Nosso Senhor a Ele m
Postado em:17/12/2014 às 12:34 
Marxismo: A “sacrossanta” anulação do amor ao próximo por amor à humanidade
Um dos rituais judaicos para expiação dos pecados consistia no fato de toda comunidade colocar as mãos sobre um bode e c
Postado em:30/09/2014 às 17:54 
Deus, Filosofia e Vida – Uma primeira aproximação
Há muito escrevi este texto. Não faço ideia em que gênero literário enquadrá-lo.  Também não julgo que seja desti...
por: - Data:07/01/2014 às Horário: 15:56
Cristologia, Pneumatologia e Eclesiologia – Uma primeira aproximação
Anexos do Artigo: 

A unção é um mistério. Cristo, do grego χριστός (khristós), significa ungido. Por isso, no começo do cristianismo, dizia-se cristão, não propriamente aquele que “seguia” a Cristo. Na verdade, muitos “seguiram” Jesus: Judas e toda uma multidão que depois pediu a sua crucificação. No princípio do cristianismo, dizia-se cristão, quem participava da unção de Cristo. Neste sentido, já no século III, São Cirilo, Bispo de Jerusalém, afirmava aos recém-batizados e crismados: “Feitos, pois, partícipes de Cristo, não sem razão, sois chamados cristos (...) vós vos tornastes cristos (...)”. Antes dele ainda, no século II, São Teófilo, Bispo de Antioquia, explicava a um pagão: “Nós nos chamamos cristãos porque nos ungimos com o óleo de Deus” . A bem da verdade, os cristãos não recebem uma unção diversa da de Cristo. Eles participam da Unção do próprio Cristo. Tentemos entender este pensamento dos primeiros padres. O Salmo 133 (132) fala de como é bom a irmãos viverem juntos. E quando quer descrever esta união, fá-lo da seguinte forma: “É como óleo fino sobre a cabeça, descendo pela barba, a barba de Aarão, descendo sobre a gola de suas vestes” (Sl 133 [132], 2). Pois bem, Orígenes, grande escritor cristão que viveu no século III, aproveitando este Salmo, afirma que o cristianismo nasce da unção que desce de Cristo Cabeça para o seu Corpo, constituindo-o e vivificando-o, enquanto pelo “bom odor” (II Cor 2, 15) desta unção, pelo “seu perfume” (II Cor 2, 14), torna agradável aos irmãos viverem juntos:

Por isso, sendo Cristo ‘cabeça da Igreja’ (Cl 1, 18), a ponto de Cristo e a Igreja formarem um só corpo, o ‘óleo fino derramado sobre a cabeça’, desceu ‘pela barba, a barba de Aarão’, tipo do homem perfeito, e este óleo chegou descendo ‘sobre a gola de suas vestes’ (Sl 133, 2).

 Sobe |    
   Documentos da notícia:
 Cristologia_Pneumatologia_Eclesiologia.pdf
  Copyright © filosofante.org.br 2008 - Todos Direitos Reservados