Várzea Grande/MT,
-
1 Usuário Online
Já temos  visitas
desde o dia 03/03/2008
  MENU
  FILOSOFIA
  TEOLOGIA
- Sites de Teologia
- Sites de Filosofia
- A Ética Filosófica em Tomás de Aquino
- Humildade e exaltação: A dinâmica do amor
- Deus é um seio – Narrativas evangélicas
- Marxismo: A “sacrossanta” anulação do amor ao próximo por amor à humanidade
- Deus, Filosofia e Vida – Uma primeira aproximação
Tomás de Aquino
Postado em:02/04/2016 às 15:51 
A Ética Filosófica em Tomás de Aquino
Como diria Gonzaguinha, começaria tudo outra vez, se preciso fosse! Certamente não da mesma forma, até porque  nu...
Postado em:28/03/2015 às 23:49 
Humildade e exaltação: A dinâmica do amor
Apesar de lançado agora, há muito escrevi este artigo. O autor do livro do Eclesiástico afirma: “Não ordenou a ninguém s
Postado em:01/03/2015 às 15:28 
Deus é um seio – Narrativas evangélicas
No filme de Mel Gibson, A Paixão de Cristo, o que mais me impressionou foi a absoluta fidelidade de Nosso Senhor a Ele m
Postado em:17/12/2014 às 12:34 
Marxismo: A “sacrossanta” anulação do amor ao próximo por amor à humanidade
Um dos rituais judaicos para expiação dos pecados consistia no fato de toda comunidade colocar as mãos sobre um bode e c
Postado em:30/09/2014 às 17:54 
Deus, Filosofia e Vida – Uma primeira aproximação
Há muito escrevi este texto. Não faço ideia em que gênero literário enquadrá-lo.  Também não julgo que seja desti...
Os Padres Gregos
por: - Data:14/07/2010 às Horário: 20:40
Orígenes: A Tradição Apostólica como critério de fé
Anexos do Artigo: 

Orígenes nasceu no Egito, em Alexandria, pelo ano 185 da nossa era. Leônidas, seu pai, antes de morrer pela fé, educou-o e colocou-o na escola de Alexandria, onde Clemente lecionava. Com a morte do pai, o jovem Orígenes passou a sustentar a família lecionando. Na verdade, os bens dela haviam sido confiscados durante uma perseguição aos cristãos na região. Com a fuga de Clemente, também por causa da perseguição, Orígenes passou a ser o diretor da escola catequética, nomeado pelo Bispo Demétrio. Conta-se que o seu zelo de guardar a fé foi tão grande que, num gesto de destempero, castrou-se para não pecar contra a castidade. Discípulo do fundador da escola neoplatônica, Amônio de Sacas, que havia sido também mestre de Plotino, a partir do ano 218, começou a escrever e a dedicar-se exclusivamente à Teologia. Tornou-se sacerdote, tendo sido ordenado durante uma viagem que fizera à Palestina. Porém, Demétrio, Bispo de Alexandria, revogou a sua ordenação, pois Orígenes era eunuco. Nosso filósofo foi para Cesaréia, onde fundou uma nova escola e uma biblioteca. Tornou-se conhecido em todo o mundo antigo, sobretudo porque nos anos de magistério havia-se revelado um grande professor, que sabia cativar os seus alunos. Não cobrava para dar aulas e nem tinha outra intenção senão inflamar os seus alunos ao amor pela verdade e pelo cristianismo. Na perseguição de Décio, veio a falecer, vítima de muitas torturas. Tinha 70 anos, quando morreu, em Tiro.

Embora o seu método o tenha levado a inúmeros erros, devemos reconhecer em Orígenes, além de cristão convicto, um mártir e herói da fé. Antes de Agostinho, ninguém foi tão importante para a sistematização da doutrina cristã quanto ele. Segundo B. Altaner e A. Stuiber, Orígenes foi o maior sábio da antiguidade cristã. De acordo com Cayré, a obra mais importante de Orígenes, o De Principiis, já pode ser considerada uma espécie de suma aos moldes daquelas que teremos na escolástica. Conquanto não usasse a fórmula, a sua intenção não é outra senão a que foi expressa por Anselmo de Cantuária, séculos depois: fides quaerens intelectum. Entre os primeiros teólogos da Igreja, nenhum teve a obra mais exposta a controvérsias do que Orígenes.

No presente artigo, contemplaremos as concepções de Orígenes concernentes ao modo como pretendeu organizar a teologia a partir da Tradição. Mostraremos como ele divide as verdades de fé em verdades universalmente aceitas como certas e verdades que ainda encontram opositores no seio da própria Igreja cristã. Para estabelecer quais delas pertencem, de fato, ao corpo da Revelação, Orígenes propõe investigar, no bojo da pregação eclesiástica – que perdura intacta através de uma ordem de sucessão –, as que remontam à Tradição Apostólica. Em seguida, esforçar-nos-emos por tornar evidente o “método” de exegese que Orígenes propõe à outra fonte da Revelação, a saber, à Bíblia. Ele proporá, no que tange a esta, que se admitam, para os seus textos, dois sentidos: o literal e o alegórico, sendo que este último ele subdividirá em psíquico e pneumático. Tentaremos abordar a sua visão atinente à filosofia. Como ele aplica a esta o mesmo critério de seleção que ele cunhou no âmbito da teologia, criando, desta feita, no escopo da filosofia, uma espécie de cânon para os filósofos, no sentido de distinguir entre eles aqueles que podem ser parcialmente frequentados pelos cristãos e aqueles que os cristãos devem rejeitar inteiramente.

 Sobe |    
   Documentos da notícia:
 Origenes_Tradicao_Apostolica_Criterio_Fe.pdf
  Copyright © filosofante.org.br 2008 - Todos Direitos Reservados