Várzea Grande/MT,
-
1 Usuário Online
Já temos  visitas
desde o dia 03/03/2008
  MENU
  FILOSOFIA
  TEOLOGIA
- Sites de Teologia
- Sites de Filosofia
- A Ética Filosófica em Tomás de Aquino
- Humildade e exaltação: A dinâmica do amor
- Deus é um seio – Narrativas evangélicas
- Marxismo: A “sacrossanta” anulação do amor ao próximo por amor à humanidade
- Deus, Filosofia e Vida – Uma primeira aproximação
Tomás de Aquino
Postado em:02/04/2016 às 15:51 
A Ética Filosófica em Tomás de Aquino
Como diria Gonzaguinha, começaria tudo outra vez, se preciso fosse! Certamente não da mesma forma, até porque  nu...
Postado em:28/03/2015 às 23:49 
Humildade e exaltação: A dinâmica do amor
Apesar de lançado agora, há muito escrevi este artigo. O autor do livro do Eclesiástico afirma: “Não ordenou a ninguém s
Postado em:01/03/2015 às 15:28 
Deus é um seio – Narrativas evangélicas
No filme de Mel Gibson, A Paixão de Cristo, o que mais me impressionou foi a absoluta fidelidade de Nosso Senhor a Ele m
Postado em:17/12/2014 às 12:34 
Marxismo: A “sacrossanta” anulação do amor ao próximo por amor à humanidade
Um dos rituais judaicos para expiação dos pecados consistia no fato de toda comunidade colocar as mãos sobre um bode e c
Postado em:30/09/2014 às 17:54 
Deus, Filosofia e Vida – Uma primeira aproximação
Há muito escrevi este texto. Não faço ideia em que gênero literário enquadrá-lo.  Também não julgo que seja desti...
por: - Data:02/03/2014 às Horário: 12:57
O Mistério da Caridade – Uma primeira aproximação
Anexos do Artigo: 

Como podemos apresentar esta primeira aproximação? Uma afirmação, que remonta ao poeta Virgílio, retomada por Sua Santidade – o Papa emérito Bento XVI, em sua Encíclica “Deus Caritas est” –, inspira-nos: “Omnia vincit amor et nos cedamos amori (...)” [O amor tudo vence, rendamo-nos também nós ao amor] (Bucólicas. X, 69). Outra passagem, muito significativa para nós, porque complementa e especifica de que amor estamos falando, é a afirmação evangélica: “Ninguém vem a mim, se o Pai que me enviou, não o atrair” (Jo 6, 44). Deus nos atrai pelo amor. Agora bem, o que é amar e ser amado? Não conseguimos pensar em outra coisa, senão na máxima doutro poeta, a saber, Salústio – também citado pelo Papa Bento – o qual define o ato de amar da seguinte forma: “Idem velle atque idem nolle” [Querer a mesma coisa e rejeitar a mesma coisa] (De coniuratione catilinae. XX, 4). De fato, os cristãos eram um só coração e uma só alma e, segundo Tertuliano, era isto que os distinguia dos demais e atraía a atenção dos não-cristãos: “Videte, quam amant” [Vede como (se) amam]” (Apologeticum. 39, 7). Enfim, quando solicitado acerca da riqueza da Igreja, São Lourenço – grande expoente da caridade eclesial – mostrou às autoridades os pobres (AMBRÓSIO. De officiis ministrorum. II, 28). Acerca da relação caridade e oração, apenas uma palavra de Santo Agostinho: "Saibam também que aos ouvidos de Deus não chegam palavras, mas o afeto do coração" (AGOSTINHO. Primeira catequese aos não cristãos. Trad. Paulo Antonino Mascarenhas Roxo. São Paulo: Paulus, 2013. IX, 13).

 Sobe |    
   Documentos da notícia:
 caridade_oracao_vida.pdf
  Copyright © filosofante.org.br 2008 - Todos Direitos Reservados