Várzea Grande/MT,
-
1 Usuário Online
Já temos  visitas
desde o dia 03/03/2008
  MENU
  FILOSOFIA
  TEOLOGIA
- Sites de Teologia
- Sites de Filosofia
- A Ética Filosófica em Tomás de Aquino
- Humildade e exaltação: A dinâmica do amor
- Deus é um seio – Narrativas evangélicas
- Marxismo: A “sacrossanta” anulação do amor ao próximo por amor à humanidade
- Deus, Filosofia e Vida – Uma primeira aproximação
Tomás de Aquino
Postado em:02/04/2016 às 15:51 
A Ética Filosófica em Tomás de Aquino
Como diria Gonzaguinha, começaria tudo outra vez, se preciso fosse! Certamente não da mesma forma, até porque  nu...
Postado em:28/03/2015 às 23:49 
Humildade e exaltação: A dinâmica do amor
Apesar de lançado agora, há muito escrevi este artigo. O autor do livro do Eclesiástico afirma: “Não ordenou a ninguém s
Postado em:01/03/2015 às 15:28 
Deus é um seio – Narrativas evangélicas
No filme de Mel Gibson, A Paixão de Cristo, o que mais me impressionou foi a absoluta fidelidade de Nosso Senhor a Ele m
Postado em:17/12/2014 às 12:34 
Marxismo: A “sacrossanta” anulação do amor ao próximo por amor à humanidade
Um dos rituais judaicos para expiação dos pecados consistia no fato de toda comunidade colocar as mãos sobre um bode e c
Postado em:30/09/2014 às 17:54 
Deus, Filosofia e Vida – Uma primeira aproximação
Há muito escrevi este texto. Não faço ideia em que gênero literário enquadrá-lo.  Também não julgo que seja desti...
Trabalhos Acadêmicos
por: - Data:16/10/2010 às Horário: 00:07
A condição de possibilidade de toda ciência possível em Kant
Anexos do Artigo: 

Esta resenha pretende falar acerca da condição de possibilidade de toda ciência possível em Kant. Não é nossa intenção, nem de longe, exaurir o tema, mas apenas apresentar alguns conceitos que, segundo a nossa perspectiva, parecem determinantes para esclarecer os limites e possibilidades do conhecimento científico em Kant.

A fim de levarmos a cabo a nossa proposta, começaremos por distinguir alguns conceitos, discriminando-os. Assim, tentaremos estabelecer o que, para Kant, constitui uma experiência, e como ele define sensibilidade, sensação e intuição. Partindo disso, acreditamos poder explicar como se molda uma intuição empírica, e o que distingue a “coisa-em-si” do fenômeno. Em seguida passaremos a trabalhar a temática dos juízos, buscando diferenciar os analíticos dos sintéticos, e os sintéticos a posteriori dos a priori. Posteriormente, envidaremos esforços para mostrar, ainda que concisamente, como, segundo Kant, são os juízos sintéticos a priori que condicionam a existência das ciências matemáticas e físicas.

Abordaremos a questão relativa às formas a priori do conhecimento, tanto no que concerne às intuições ou formas puras da sensibilidade – espaço e tempo – quanto no que diz respeito às categorias ou conceitos puros do entendimento, e falaremos, ademais, acerca das ideias reguladoras da razão. Neste passo, tentaremos demonstrar como Kant distingue o entendimento, como faculdade de julgar, e a razão, como faculdade silogística. Acenaremos para a impossibilidade que Kant levanta à metafísica tradicional, suspendo-a quanto a sua pretensão de ser uma ciência; por fim, concluiremos tentando avaliar, ainda que sucintamente, quais sejam as principais repercussões da sua crítica para a teoria do conhecimento.

Transitaremos, na nossa abordagem, pela edição brasileira da editoria Nova Cultural da Crítica da Razão Pura, com tradução de Valério Rohden e Udo Baldur Moosburger. Valer-nos-emos, particularmente, das páginas que abrangem o Prefácio à Segunda Edição, a Introdução e a Estética Transcendental. Todavia, quando for necessário, tomaremos a liberdade de ultrapassá-los.

 Sobe |    
   Documentos da notícia:
 Kant_ciencia_condicao_possibilidade.pdf
  Copyright © filosofante.org.br 2008 - Todos Direitos Reservados