Várzea Grande/MT,
-
1 Usuário Online
Já temos  visitas
desde o dia 03/03/2008
  MENU
  FILOSOFIA
  TEOLOGIA
- Sites de Teologia
- Sites de Filosofia
- A Ética Filosófica em Tomás de Aquino
- Humildade e exaltação: A dinâmica do amor
- Deus é um seio – Narrativas evangélicas
- Marxismo: A “sacrossanta” anulação do amor ao próximo por amor à humanidade
- Deus, Filosofia e Vida – Uma primeira aproximação
Tomás de Aquino
Postado em:02/04/2016 às 15:51 
A Ética Filosófica em Tomás de Aquino
Como diria Gonzaguinha, começaria tudo outra vez, se preciso fosse! Certamente não da mesma forma, até porque  nu...
Postado em:28/03/2015 às 23:49 
Humildade e exaltação: A dinâmica do amor
Apesar de lançado agora, há muito escrevi este artigo. O autor do livro do Eclesiástico afirma: “Não ordenou a ninguém s
Postado em:01/03/2015 às 15:28 
Deus é um seio – Narrativas evangélicas
No filme de Mel Gibson, A Paixão de Cristo, o que mais me impressionou foi a absoluta fidelidade de Nosso Senhor a Ele m
Postado em:17/12/2014 às 12:34 
Marxismo: A “sacrossanta” anulação do amor ao próximo por amor à humanidade
Um dos rituais judaicos para expiação dos pecados consistia no fato de toda comunidade colocar as mãos sobre um bode e c
Postado em:30/09/2014 às 17:54 
Deus, Filosofia e Vida – Uma primeira aproximação
Há muito escrevi este texto. Não faço ideia em que gênero literário enquadrá-lo.  Também não julgo que seja desti...
Filosofia Antiga
por: - Data:14/09/2010 às Horário: 22:19
Noções de cosmologia aristotélica – Uma “metafísica do sensível”
Anexos do Artigo: 

Este despretensioso ensaio tem a intenção de trabalhar quatro conceitos concernentes à física aristotélica, quais sejam: os conceitos de movimento, lugar, tempo e infinito. Procederemos evitando, ao máximo, os cipoais que até hoje medram entre os intérpretes de Aristóteles, e também certas minúcias técnicas que podem antes confundir o leitor que esclarecê-lo. Todavia, será deveras necessário o uso de certos termos técnicos já consagrados. Porém, envidaremos esforços para não deixá-los sem ulteriores apontamentos que, esperamos, possam torná-los mais acessíveis ao entendimento.

Primeiro discutiremos acerca do movimento e dos tipos de movimento. Depois, cotejando os textos aristotélicos, tentaremos elaborar uma definição de lugar. Em seguida, passaremos a abordar a questão do tempo, procurando delinear o seu conceito, bem como as suas relações com o movimento e com a alma. Posteriormente, adentraremos na questão do infinito, tentando frisar a peculiaridade que esta noção ganha no pensamento do Estagirita.

É sabido – mas faz-se mister a advertência – que o que Aristóteles desenvolve não é exatamente uma física, ao menos no sentido que este termo ganhou na modernidade. Na verdade, trata-se mais propriamente de uma “metafísica do sensível” que vem ao encontro da sua própria concepção de physis como sendo uma ciência teorética, precedida pela metafísica, e sucedida pela matemática. É que, para Aristóteles, ambas as ciências, conquanto distintas, estão interligadas.

Cabe frisar, a título de adendo, que o Filósofo foi o primeiro a estudar a physis, não como uma realidade absoluta ou representando a totalidade do ser, mas sim como a totalidade do ser sensível. É com Aristóteles, ademais, que o termo natureza passa a designar, propriamente, a realidade sensível.

Além disso, vale acentuar que muitos aspectos da física aristotélica já foram superados e tornaram-se obsoletos com os avanços inegáveis da física moderna. No entanto, os princípios metafísicos que ele aplicou para poder desenvolver a sua “metafísica do sensível”, continuam não somente válidos, mas inolvidáveis para a compreensão da história da filosofia e justificam-se por si mesmos. Ora, são estes princípios e conceitos que elegemos contemplar, e serão eles que privilegiaremos neste ensaio.

A fim de transitarmos na temática proposta, além de perícopes dos livros da Física, frequentaremos uma bibliografia clássica, a saber, Storia della filosofia antica, in cinque volumi, do historiador e estudioso da filosofia Giovanni Reale. Disporemos da edição brasileira – História da Filosofia Antiga: II Platão e Aristóteles – lançada pelas Edições Loyola e trazida ao vernáculo por Marcelo Perine e Henrique Cláudio de Lima Vaz. A edição da qual faremos uso remonta ao ano de 1994.

 Sobe |    
   Documentos da notícia:
 Fisica_Aristotele.pdf
  Copyright © filosofante.org.br 2008 - Todos Direitos Reservados