Várzea Grande/MT,
-
1 Usuário Online
Já temos  visitas
desde o dia 03/03/2008
  MENU
  FILOSOFIA
  TEOLOGIA
- Sites de Teologia
- Sites de Filosofia
- A Ética Filosófica em Tomás de Aquino
- Humildade e exaltação: A dinâmica do amor
- Deus é um seio – Narrativas evangélicas
- Marxismo: A “sacrossanta” anulação do amor ao próximo por amor à humanidade
- Deus, Filosofia e Vida – Uma primeira aproximação
Tomás de Aquino
Postado em:02/04/2016 às 15:51 
A Ética Filosófica em Tomás de Aquino
Como diria Gonzaguinha, começaria tudo outra vez, se preciso fosse! Certamente não da mesma forma, até porque  nu...
Postado em:28/03/2015 às 23:49 
Humildade e exaltação: A dinâmica do amor
Apesar de lançado agora, há muito escrevi este artigo. O autor do livro do Eclesiástico afirma: “Não ordenou a ninguém s
Postado em:01/03/2015 às 15:28 
Deus é um seio – Narrativas evangélicas
No filme de Mel Gibson, A Paixão de Cristo, o que mais me impressionou foi a absoluta fidelidade de Nosso Senhor a Ele m
Postado em:17/12/2014 às 12:34 
Marxismo: A “sacrossanta” anulação do amor ao próximo por amor à humanidade
Um dos rituais judaicos para expiação dos pecados consistia no fato de toda comunidade colocar as mãos sobre um bode e c
Postado em:30/09/2014 às 17:54 
Deus, Filosofia e Vida – Uma primeira aproximação
Há muito escrevi este texto. Não faço ideia em que gênero literário enquadrá-lo.  Também não julgo que seja desti...
Filosofia Tomasiana
por: - Data:22/07/2010 às Horário: 19:12
Fé e razão e filosofia e teologia em Tomás de Aquino
Anexos do Artigo: 

Como neste artigo falaremos dos binômios fé e razão, filosofia e teologia, cuida que distingamos, respectivamente, razão e filosofia e fé e teologia. A razão (ratio), faculdade discursiva do ser e dos “porquês”, é o modo pelo qual a perfeição absoluta da inteligência (intelligentia) realiza-se no homem. Ela caracteriza-se por sua força abstrativa (abstractio, abstrahere), a qual denominamos intelecto (intellectus; intus-legere= ler dentro), capaz de alcançar o ser inteligível das coisas sensíveis e os primeiros princípios, e que se especifica pela sua capacidade de avançar no conhecimento da verdade, mediante um encadeamento lógico, que parte de princípios auto-evidentes e que denominamos raciocínio. Ora bem, a filosofia é o conhecimento pelas causas primeiras e mais universais, através da luz da razão (lumen rationis). Agora bem, a fé é para a teologia o que os princípios naturais são para a razão. Contudo, diferentemente da luz da razão (lumen rationis), que é auto-evidente, a luz da fé (lumen fidei) é uma luz infusa (lumen infusum). Ora, a teologia é uma reflexão que parte da luz da fé (lumen fidei) como de seus princípios primeiros. A teologia não é, pois, a pura fé, mas fruto da razão iluminada pela fé (ratio fidei illustrata). O teólogo, no exercício da sua reflexão sobre os dados nos quais crê, passa a aderir a eles não somente em virtude da Revelação divina, mas também por causa do nexo inteligível, que ele percebe através da meditação teológica sobre as verdades de fé entre si mesmas e as verdades de fé em relação às demais verdades naturais. A fé, portanto, é um habitus infuso; a teologia é um habitus adquirido pelo estudo. A teologia, enquanto sabedoria que se adquire pela pesquisa sobre o dado da fé, distingue-se daquela sabedoria mística, dom do Espírito Santo.

 Sobe |    
   Documentos da notícia:
 fe_razao_filosofia_teologia_tomas_de_aquino.pdf
  Copyright © filosofante.org.br 2008 - Todos Direitos Reservados