Várzea Grande/MT,
-
1 Usuário Online
Já temos  visitas
desde o dia 03/03/2008
  MENU
  FILOSOFIA
  TEOLOGIA
- Sites de Teologia
- Sites de Filosofia
- A Ética Filosófica em Tomás de Aquino
- Humildade e exaltação: A dinâmica do amor
- Deus é um seio – Narrativas evangélicas
- Marxismo: A “sacrossanta” anulação do amor ao próximo por amor à humanidade
- Deus, Filosofia e Vida – Uma primeira aproximação
Tomás de Aquino
Postado em:02/04/2016 às 15:51 
A Ética Filosófica em Tomás de Aquino
Como diria Gonzaguinha, começaria tudo outra vez, se preciso fosse! Certamente não da mesma forma, até porque  nu...
Postado em:28/03/2015 às 23:49 
Humildade e exaltação: A dinâmica do amor
Apesar de lançado agora, há muito escrevi este artigo. O autor do livro do Eclesiástico afirma: “Não ordenou a ninguém s
Postado em:01/03/2015 às 15:28 
Deus é um seio – Narrativas evangélicas
No filme de Mel Gibson, A Paixão de Cristo, o que mais me impressionou foi a absoluta fidelidade de Nosso Senhor a Ele m
Postado em:17/12/2014 às 12:34 
Marxismo: A “sacrossanta” anulação do amor ao próximo por amor à humanidade
Um dos rituais judaicos para expiação dos pecados consistia no fato de toda comunidade colocar as mãos sobre um bode e c
Postado em:30/09/2014 às 17:54 
Deus, Filosofia e Vida – Uma primeira aproximação
Há muito escrevi este texto. Não faço ideia em que gênero literário enquadrá-lo.  Também não julgo que seja desti...
Os Padres Gregos
por: - Data:09/07/2010 às Horário: 18:36
Gregório de Nissa: O homem como imagem de Deus
Anexos do Artigo: 

Gregório nasceu pelo ano 335. Educado por seu irmão mais velho, Basílio, Gregório sempre se refere a ele como a seu pai e mestre. Depois de ocupar o cargo eclesiástico de leitor, optou por ser retor. Decidindo-se pela espiritualidade, isolou-se em Neocesareia, na companhia de sua mãe e irmã. Em 371, tornou-se Bispo de Nissa, sendo ordenado pelo próprio irmão.  Mais afeito à teologia que aos assuntos relacionados à política eclesiástica, enquanto teólogo Gregório mostrou-se de uma ortodoxia acima de qualquer suspeita. Foi deposto do episcopado em 376, devido à forte perseguição que sofria por parte dos arianos. Todavia, em 378, após a morte do imperador Valente, retomou à sua cátedra, tendo sido recebido triunfalmente pelos seus diocesanos. Participou do segundo Concílio de Constantinopla, vindo a falecer em 394.

Neste artigo, versaremos sobre os fundamentos da antropologia, da teologia e da ética soteriológica de Gregório. Veremos que, para ele, o homem é o elo entre o mundo sensível e o mundo inteligível. Tentaremos perceber de que modo ele parte da racionalidade humana para provar a existência de Deus, e como nos remete a analogias com a vida espiritual do homem quando trata do dogma da Trindade. Ademais, falaremos acerca da sua ética, segundo a qual o próprio fato de o homem ter sido criado a partir do nada, fá-lo mutável e, ipso facto, capaz de escolher entre o bem e o mal. Verificaremos que o homem escolheu mal e, por preferir as coisas sensíveis às inteligíveis, teve a imagem de Deus obscurecida em sua alma. Observaremos ainda o fato de que, para Gregório, é somente a reunião íntima do homem com Deus, mediante a fé e a caridade, que poderá restaurar a imagem de Deus no homem e fazer com que este se redescubra como tal.  Nisto consiste a salvação do homem para o Niceno. Por fim, teceremos as considerações finais ao texto.

Para nossa exposição, valer-nos-emos da Coleção Patrística, nº 29, da Paulus. Nela encontram-se, condensadas num só volume, três obras do Niceno, arroladas na íntegra e traduzidas para o vernáculo por Bento Silva Santos: A Criação do Homem, A alma e a Ressurreição e a Grande Catequese. Lançaremos mãos também da síntese invulgar do pensamento filosófico de Gregório feita por Étienne Gilson, em La Philosophie au Mon Âge. De Scot Érigène à Guilllaume d’Occam (1922), na versão modificada – La Philosophie au Mon Âge. Dès Origines Patristiques à la Fin du XIV – de 1944. A tradução que seguiremos, no caso, será a brasileira, feita por Eduardo Brandão e lançada pela editora Martins Fontes, em 1995: A Filosofia na Idade Média. Por fim, ainda recorreremos à História da Filosofia Cristã. Desde as Origens até Nicolau de Cusa (1951) – parceria de Gilson com Philotheus Boehner –, trazida para o vernáculo pelo Prof. Raimundo Vier, em 1970, a partir da edição alemã: Christliche Philosophie – von ihren Anfaengen bis Nikolaus von  Cues (1952 a 1954).

 Sobe |    
   Documentos da notícia:
 Gregorio_Nissa__Homem_Imagem_de_Deus.pdf
  Copyright © filosofante.org.br 2008 - Todos Direitos Reservados