Várzea Grande/MT,
-
1 Usuário Online
Já temos  visitas
desde o dia 03/03/2008
  MENU
  FILOSOFIA
  TEOLOGIA
- Sites de Teologia
- Sites de Filosofia
- A Ética Filosófica em Tomás de Aquino
- Humildade e exaltação: A dinâmica do amor
- Deus é um seio – Narrativas evangélicas
- Marxismo: A “sacrossanta” anulação do amor ao próximo por amor à humanidade
- Deus, Filosofia e Vida – Uma primeira aproximação
Tomás de Aquino
Postado em:02/04/2016 às 15:51 
A Ética Filosófica em Tomás de Aquino
Como diria Gonzaguinha, começaria tudo outra vez, se preciso fosse! Certamente não da mesma forma, até porque  nu...
Postado em:28/03/2015 às 23:49 
Humildade e exaltação: A dinâmica do amor
Apesar de lançado agora, há muito escrevi este artigo. O autor do livro do Eclesiástico afirma: “Não ordenou a ninguém s
Postado em:01/03/2015 às 15:28 
Deus é um seio – Narrativas evangélicas
No filme de Mel Gibson, A Paixão de Cristo, o que mais me impressionou foi a absoluta fidelidade de Nosso Senhor a Ele m
Postado em:17/12/2014 às 12:34 
Marxismo: A “sacrossanta” anulação do amor ao próximo por amor à humanidade
Um dos rituais judaicos para expiação dos pecados consistia no fato de toda comunidade colocar as mãos sobre um bode e c
Postado em:30/09/2014 às 17:54 
Deus, Filosofia e Vida – Uma primeira aproximação
Há muito escrevi este texto. Não faço ideia em que gênero literário enquadrá-lo.  Também não julgo que seja desti...
Dos Atributos Divinos
por: - Data:30/06/2010 às Horário: 17:00
Máximo, o Confessor: Deus é a mônada pura
Anexos do Artigo: 

Máximo nasceu pelo ano 580 da nossa era. Membro de uma família distinta de Constantinopla, defendeu a ortodoxia da fé contra a heresia do monotelismo, segundo a qual Cristo teria tido somente uma vontade, a divina, e saiu-se vencedor por ocasião da condenação definitiva desta doutrina no Concílio de Latrão (649). Devido às suas encarniçadas discussões contra os seus opositores, acabou sendo exilado na Trácia. Tendo oportunidade de se retratar durante um sínodo em Constantinopla, não o fez. Por conseguinte, ele e os seus discípulos tiveram as suas línguas e mãos direitas cortadas e foram condenados ao exílio, na região dos lazos, em Cólquia. Máximo faleceu em 662, vitima de inúmeros sofrimentos. Foi sem dúvida o maior teólogo grego do seu século. Procurou realizar uma síntese da teologia dos padres gregos, e a sua interpretação da obra do Pseudo-Dionísio prevaleceu até a Idade Média. Enquanto filósofo, foi eclético: de Aristóteles ao neoplatonismo, pode-se sentir a influência em sua obra.

Neste pequeno ensaio, trataremos do pressuposto fundante da teologia de Máximo, a saber, o esquema neoplatônico exitus/reditus que ele cristianiza. Fá-lo-emos mediante os seguintes tópicos: antes de tudo, destacando a sua concepção de Deus como mônada e princípio de movimento ad intra e ad extra; depois, atentando para a doutrina das essências como concepções do Verbo, que subsistem nele desde toda a eternidade enquanto eidos; em seguida, tentando mostrar a sua concepção das criaturas como participações e revelações parciais de Deus, algumas das quais podem, inclusive, escolher, mediante as suas ações, o seu lugar na hierarquia dos seres; posteriormente, esforçar-nos-emos por tornar evidente a sua concepção de homem como ser livre que, pelo pecado, preferiu assemelhar-se às coisas sensíveis a assemelhar-se a Deus; por fim, esmeraremos por tornar patente a sua concepção de redenção como retorno das coisas a Deus pela mediação do homem que, remido por Cristo, reúne em si a totalidade dos seres. É ele que, unindo-se a Deus pelo conhecimento e pelo amor, pode fazer retornar à essência criadora: a matéria, pelo seu corpo, e o imaterial, pela sua alma.

Servirá de aporte teórico à nossa abordagem a obra de Etienne Gilson: La Philosophie au Mon Âge. De Scot Érigène à Guilllaume d’Occam (1922), em sua versão modificada – La Philosophie au Mon Âge. Dès Origines Patristiques à la Fin du XIV – de 1944. No caso, a tradução que seguiremos será a brasileira, feita por Eduardo Brandão e lançada pela editora Martins Fontes, em 1995: A Filosofia na Idade Média.

 Sobe |    
   Documentos da notícia:
 Deus_Monada_Pura.pdf
  Copyright © filosofante.org.br 2008 - Todos Direitos Reservados