Várzea Grande/MT,
-
1 Usuário Online
Já temos  visitas
desde o dia 03/03/2008
  MENU
  FILOSOFIA
  TEOLOGIA
- Sites de Teologia
- Sites de Filosofia
- A Ética Filosófica em Tomás de Aquino
- Humildade e exaltação: A dinâmica do amor
- Deus é um seio – Narrativas evangélicas
- Marxismo: A “sacrossanta” anulação do amor ao próximo por amor à humanidade
- Deus, Filosofia e Vida – Uma primeira aproximação
Tomás de Aquino
Postado em:02/04/2016 às 15:51 
A Ética Filosófica em Tomás de Aquino
Como diria Gonzaguinha, começaria tudo outra vez, se preciso fosse! Certamente não da mesma forma, até porque  nu...
Postado em:28/03/2015 às 23:49 
Humildade e exaltação: A dinâmica do amor
Apesar de lançado agora, há muito escrevi este artigo. O autor do livro do Eclesiástico afirma: “Não ordenou a ninguém s
Postado em:01/03/2015 às 15:28 
Deus é um seio – Narrativas evangélicas
No filme de Mel Gibson, A Paixão de Cristo, o que mais me impressionou foi a absoluta fidelidade de Nosso Senhor a Ele m
Postado em:17/12/2014 às 12:34 
Marxismo: A “sacrossanta” anulação do amor ao próximo por amor à humanidade
Um dos rituais judaicos para expiação dos pecados consistia no fato de toda comunidade colocar as mãos sobre um bode e c
Postado em:30/09/2014 às 17:54 
Deus, Filosofia e Vida – Uma primeira aproximação
Há muito escrevi este texto. Não faço ideia em que gênero literário enquadrá-lo.  Também não julgo que seja desti...
Dos Atributos Divinos
por: - Data:29/06/2010 às Horário: 18:18
Dionísio: O Deus abscôndito
Anexos do Artigo: 

Hoje se sabe com alguma exatidão que o autor das obras atribuídas a Dionísio é do século V da nossa era. Ao que tudo indica, viveu entre os monges sírios. Contudo, durante a Idade Média, Dionísio nada tinha de “Pseudo-Areopagita”; ao contrário, era tido como o próprio ateniense convertido por São Paulo, quando da pregação deste no Areópago de Atenas (At. 17). Na verdade, o próprio autor de obras basilares como Dos Nomes Divinos descrevia-se como espectador do eclipse solar que se deu por ocasião da morte de Cristo.  Atestava, além do mais, ter assistido à morte da própria Virgem, além de insinuar ter tido conversações frequentes com vários apóstolos. Ora, depois de tal apresentação, não nos devemos assustar que Dionísio tenha chegado a ter uma autoridade ainda maior que a do próprio Agostinho, inferior à da Sagrada Escritura.  

As dúvidas acerca da origem apostólica do autor só começaram a ser levantadas no humanismo do século XV, notadamente por Lourenço de Valla. Acentuaram-se ainda mais no período da Reforma Protestante. Quanto ao autor da obra Dos Nomes Divinos é certo que não é um neoplatônico com vestes cristãs, mas, como bem observou Stiglmayr, é antes um cristão com vestes de filósofo neoplatônico. Por sua profunda reverência ao “Deus desconhecido”, o Doctor Hierarchicus recebeu o epíteto de “pai da mística”.

O nosso artigo trata das quatro vias para o conhecimento de Deus, em Dionísio. São, na verdade, quatro teologias: a simbólica, a afirmativa ou catafática, a negativa ou apofática e a mística. Tentaremos mostrar como, na concepção de Dionísio, a teologia negativa supera a afirmativa e a teologia mística supera as duas, por ser antes uma experiência resultante da união do místico com Deus do que um conhecimento conceitual da divindade, que é sempre débil na acepção do nosso autor. Por fim, trataremos dos nomes divinos, tema clássico na teologia medieval. Verificaremos que o Pseudo-Areopagita classifica os nomes divinos em dois grupos, a saber, os que expressam a essência indivisível e a unidade absoluta de Deus e os que exprimem a Trindade nas suas relações.

Os referenciais teóricos da nossa abordagem serão duas obras de Dionísio: A Teologia Mística, com tradução para o português de Prof. Luis Alberto De Boni, em Filosofia Medieval: Textos e Dos Nomes Divinos, com tradução ao vernáculo feita pelo Prof. Bento Silva Santos. Também nos servirão de aportes teóricos as obras de Etienne Gilson: La Philosophie au Mon Âge. De Scot Érigène à Guilllaume d’Occam (1922), em sua versão modificada – La Philosophie au Mon Âge. Dès Origines Patristiques à la Fin du XIV – de 1944. No caso, a tradução que seguiremos será a brasileira, feita por Eduardo Brandão e lançada pela editora Martins Fontes, em 1995: A Filosofia na Idade Média. Do mesmo autor, desta feita em parceria com Philotheus Boehner, a não menos apreciada: História da Filosofia Cristã. Desde as Origens até Nicolau de Cusa (1951) ––, trazida ao vernáculo pelo Prof. Raimundo Vier, em 1970, a partir da edição alemã: Christliche Philosophie – von ihren Anfaengen bis Nikolaus von  Cues (1952 a 1954).

 Sobe |    
   Documentos da notícia:
 Deus_abscondito.pdf
  Copyright © filosofante.org.br 2008 - Todos Direitos Reservados