Várzea Grande/MT,
-
1 Usuário Online
Já temos  visitas
desde o dia 03/03/2008
  MENU
  FILOSOFIA
  TEOLOGIA
- Sites de Teologia
- Sites de Filosofia
- A Ética Filosófica em Tomás de Aquino
- Humildade e exaltação: A dinâmica do amor
- Deus é um seio – Narrativas evangélicas
- Marxismo: A “sacrossanta” anulação do amor ao próximo por amor à humanidade
- Deus, Filosofia e Vida – Uma primeira aproximação
Tomás de Aquino
Postado em:02/04/2016 às 15:51 
A Ética Filosófica em Tomás de Aquino
Como diria Gonzaguinha, começaria tudo outra vez, se preciso fosse! Certamente não da mesma forma, até porque  nu...
Postado em:28/03/2015 às 23:49 
Humildade e exaltação: A dinâmica do amor
Apesar de lançado agora, há muito escrevi este artigo. O autor do livro do Eclesiástico afirma: “Não ordenou a ninguém s
Postado em:01/03/2015 às 15:28 
Deus é um seio – Narrativas evangélicas
No filme de Mel Gibson, A Paixão de Cristo, o que mais me impressionou foi a absoluta fidelidade de Nosso Senhor a Ele m
Postado em:17/12/2014 às 12:34 
Marxismo: A “sacrossanta” anulação do amor ao próximo por amor à humanidade
Um dos rituais judaicos para expiação dos pecados consistia no fato de toda comunidade colocar as mãos sobre um bode e c
Postado em:30/09/2014 às 17:54 
Deus, Filosofia e Vida – Uma primeira aproximação
Há muito escrevi este texto. Não faço ideia em que gênero literário enquadrá-lo.  Também não julgo que seja desti...
Filosofia e Teologia
por: - Data:06/06/2010 às Horário: 14:07
Agostinho: Intellige ut Credas, Crede ut Intelligas
Anexos do Artigo: 

A filosofia cristã nasce sob a fórmula encontrada no Profeta Isaías, “Nisi credideritis non intelelligetis” (Se não crerdes, não compreendereis). Tirada da tradução dos Setenta, hoje sabemos que ela está incorreta. De toda forma, Agostinho não se cansa de retomá-la em suas obras. Neste artigo, observaremos que o seu encontro com Cristo e com a fé cristã exerceu uma mudança sobre a sua avaliação da filosofia e do exercício da razão. Verificaremos que ele distinguia dois usos da razão: uma que precede a fé e consiste no exame e discernimento do que se deve crer; outra que a sucede e consiste na tentativa de inteligir os mistérios da fé até onde isso for possível neste mundo. Teremos o ensejo de perceber que foi a partir deste segundo uso da razão, que busca o entendimento da fé já assentida, que nasceu o filosofar na fé, em Agostinho. Ele opõe este filosofar na fé à filosofia dos gentios, que era alheia à fé, e concebe a conquista do intellectus fidei como uma recompensa à fé, que começa por crer no que ainda não vê. Observaremos, ademais, que, na concepção de Agostinho, razão e fé são complementares; mais do que isso, como adiante comentaremos com mais clareza, o próprio ato de fé não é senão um ato da inteligência que assente. Observaremos, no entanto, que persiste nas obras do Bispo de Hipona, certa indeterminação entre teologia e filosofia, chegando mesmo a haver, em certos momentos, por razões que também aduziremos no decorrer do texto, uma identificação da filosofia com a teologia e com a própria religião cristã.

 Sobe |    
   Documentos da notícia:
 Agostinho_intellige_ut_credas_crede_ut_intelligas.pdf
  Copyright © filosofante.org.br 2008 - Todos Direitos Reservados