Várzea Grande/MT,
-
1 Usuário Online
Já temos  visitas
desde o dia 03/03/2008
  MENU
  FILOSOFIA
  TEOLOGIA
- Sites de Teologia
- Sites de Filosofia
- A Ética Filosófica em Tomás de Aquino
- Humildade e exaltação: A dinâmica do amor
- Deus é um seio – Narrativas evangélicas
- Marxismo: A “sacrossanta” anulação do amor ao próximo por amor à humanidade
- Deus, Filosofia e Vida – Uma primeira aproximação
Tomás de Aquino
Postado em:02/04/2016 às 15:51 
A Ética Filosófica em Tomás de Aquino
Como diria Gonzaguinha, começaria tudo outra vez, se preciso fosse! Certamente não da mesma forma, até porque  nu...
Postado em:28/03/2015 às 23:49 
Humildade e exaltação: A dinâmica do amor
Apesar de lançado agora, há muito escrevi este artigo. O autor do livro do Eclesiástico afirma: “Não ordenou a ninguém s
Postado em:01/03/2015 às 15:28 
Deus é um seio – Narrativas evangélicas
No filme de Mel Gibson, A Paixão de Cristo, o que mais me impressionou foi a absoluta fidelidade de Nosso Senhor a Ele m
Postado em:17/12/2014 às 12:34 
Marxismo: A “sacrossanta” anulação do amor ao próximo por amor à humanidade
Um dos rituais judaicos para expiação dos pecados consistia no fato de toda comunidade colocar as mãos sobre um bode e c
Postado em:30/09/2014 às 17:54 
Deus, Filosofia e Vida – Uma primeira aproximação
Há muito escrevi este texto. Não faço ideia em que gênero literário enquadrá-lo.  Também não julgo que seja desti...
Trabalhos Acadêmicos
por: - Data:31/05/2010 às Horário: 19:01
Gêneros Literários e Formas do Saber na Universidade de Paris do Século XIII
Anexos do Artigo: 

CAMPOS, S. L. B. Gêneros Literários e Formas do Saber na Universidade de Paris do Século XIII. pp. 89-117. In: SANTOS, Ivanaldo (Org.). Linguagem e Epistemologia em Tomás de Aquino. João Pessoa: Ideia, 2011. pp. 89-117. Este foi um dos trabalhos que fizemos para uma das disciplinas da Pós e que depois transformamos em artigo. Acabamos sendo contemplado com uma publicação, num projeto estupendo. A ideia inicial era mostrar como os medievais entregaram a nós um esplêndido legado cultural e educativo, no qual acontecia, naturalmente, a tão desejada “educação integral”, hoje capturada por ideologias. Ademais, no movimento do texto tentamos demonstrar que um dos lugares privilegiados da aprendizagem, no medievo, era o ensino. Os alunos eram avaliados e treinados nas chamadas disputas. Enquanto ensinavam e debatiam é que aprendiam. Havia uma sinergia entre docência e aprendizado. Foi só depois que nasceu a figura do “professor onisciente”. Falamos do pedantismo da Renascença. O capítulo segundo deste ensaio, que não tivemos tempo de desenvolver, seria para mostrar como a modernidade transformou em problemas as soluções que dos antigos recebeu. Os escolásticos, com a sua concepção de teologia como ciência, deixaram-nos a clara delimitação das ciências naturais com Alberto Magno, a fronteira tão bem demarcada entre filosofia e teologia com Tomás de Aquino, e nós as perdemos com a desculpa do Paraíso – passar a culpa pro outro – tornando a Idade Média o “terreno baldio” dos lixos que nós próprios criamos. Não é difícil calcular o quanto decaímos: se pensarmos que, com todos os nossos recursos, tecnologia, erudição, edições críticas, com todos os avanços da informática, etc., nenhum de nós, não digo fazer, mas sequer explicar como pôde ter sido feita, sem nenhum destes recursos, a Suma de Teologia de um Tomás de Aquino, é um sinal visível de nossa decadência. Lendo e relendo os grandes comentaristas modernos de Aristóteles, é simplesmente incrível que, com todas as obras do filósofo nas mãos, com o conhecimento do grego e de posse de edições críticas apuradíssimas, recorram ainda a todo instante ao velho Tomás, que não tinha fluência no grego e não se pôde valer de todas as obras do Estagirita. O que aconteceu conosco?

Segue anexa: versão revista e corrigida pelo autor

 Sobe |    
   Documentos da notícia:
 Generos_Literarios_Formas_Saber_Universidade_Paris_XIII.pdf
  Copyright © filosofante.org.br 2008 - Todos Direitos Reservados