Várzea Grande/MT,
-
5 Usuários Online
Já temos  visitas
desde o dia 03/03/2008
  MENU
  FILOSOFIA
  TEOLOGIA
- Sites de Teologia
- Sites de Filosofia
- A Ética Filosófica em Tomás de Aquino
- Humildade e exaltação: A dinâmica do amor
- Deus é um seio – Narrativas evangélicas
- Marxismo: A “sacrossanta” anulação do amor ao próximo por amor à humanidade
- Deus, Filosofia e Vida – Uma primeira aproximação
Tomás de Aquino
Postado em:02/04/2016 às 15:51 
A Ética Filosófica em Tomás de Aquino
Como diria Gonzaguinha, começaria tudo outra vez, se preciso fosse! Certamente não da mesma forma, até porque  nu
Postado em:28/03/2015 às 23:49 
Humildade e exaltação: A dinâmica do amor
Apesar de lançado agora, há muito escrevi este artigo. O autor do livro do Eclesiástico afirma: “Não ordenou a ninguém s
Postado em:01/03/2015 às 15:28 
Deus é um seio – Narrativas evangélicas
No filme de Mel Gibson, A Paixão de Cristo, o que mais me impressionou foi a absoluta fidelidade de Nosso Senhor a Ele m
Postado em:17/12/2014 às 12:34 
Marxismo: A “sacrossanta” anulação do amor ao próximo por amor à humanidade
Um dos rituais judaicos para expiação dos pecados consistia no fato de toda comunidade colocar as mãos sobre um bode e c
Postado em:30/09/2014 às 17:54 
Deus, Filosofia e Vida – Uma primeira aproximação
Há muito escrevi este texto. Não faço ideia em que gênero literário enquadrá-lo.  Também não julgo que seja desti...
Pensadores
por: - Data:10/05/2010 às Horário: 18:23
Jacques Maritain: Tradição e progresso no âmbito da sabedoria metafísica
Anexos do Artigo: 

Jacques Maritain nasceu em Paris, a 18 de novembro de 1842. Em 1900, começa os seus estudos em Letras na Sorbonne, onde conhece Raissa, que desposará em 1904.  Em 1905, depois de uma juventude agnóstica, converte-se, ao lado da esposa – que era judia –, ao catolicismo, vindo a receber o Batismo no ano seguinte. De 1906 a 1908 fica em Heidelberg, onde estuda Biologia. De 1909 a 1923, dedica-se ao estudo do pensamento de Tomás de Aquino, de quem se tornará insigne intérprete. Desta fase é o seu primeiro artigo: A Ciência e a Razão Moderna. Data de 1914 o seu primeiro livro: La Philosophie Bergsonienne, que representa uma espécie de manifesto que anuncia o renascimento da filosofia tomista. Além de Bergson, foi influenciado pelo romancista Léon Bloy. Entre os tomistas, cultivou frutuosa amizade com Gilson e Garrigou-Lagrange. Fecunda também foi a influência que sofreu dos comentadores clássicos do tomismo. Quanto às questões relativas à Suma Teológica, máxime Caetano, e, no que respeito à lógica e à cosmologia, mormente João de Santo Tomás.

Ainda em 1914, torna-se professor de Filosofia do Instituto Católico de Paris e é nomeado Doutor da Sagrada Congregação para os seminaristas e universidades. Em 1920, dá início a um ciclo de reuniões – que durará até 1939 –, donde surgirão os chamados Círculos de estudos tomistas. Publica Antimoderne em 1922.  A sua obra-prima e a melhor introdução ao seu pensamento, é: Distinguer pour unir: Les degrés du savoir, de 1932. Todavia, a sua obra mais famosa foi Humanisme intégral, de 1936. Deu aulas em universidades americanas, onde se exilou com Raissa por ocasião da eclosão da Segunda Grande Guerra.  Escreveu também sobre estética, educação, ética e política. Morreu em Tolouse em 1973.

A seguir, faremos uma pequena reflexão acerca da primeira lição do seu clássico: Sept Leçons Sur L’être. Nela, versaremos sobre o ser, tomado em sua universalidade, isto é, cuidaremos de tratar do ser enquanto ser e suas peculiaridades. Em seguida, tentaremos explica como o homem atinge o ser enquanto tal em virtude da sua própria natureza racional. Em seguida, cumprir-nos-á estabelecer qual a relação do ser enquanto tal com a tradição e com o progresso, e como estes dois últimos se podem conciliar numa ontologia de cunho metafísico. Importar-nos-á distinguir os dois tipos de progressos possíveis, conforme os níveis de abstração de uma determinada ciência: o progresso por substituição, próprio nas ciências naturais, e o progresso por aprofundamento, próprio da metafísica. Ser-nos-á mister explicar a referida distinção, a partir de uma outra, presente de algum modo em todas as ciências: o mistério e o problema. Onde predomina o mistério, impõe-se o progresso por aprofundamento; onde há predominância do problema, prevalece o progresso por substituição. Depois, lançaremos um olhar sobre qual pode ser a repercussão destes dados na síntese tomásica hodierna. Seguir-se-á as considerações finais do texto. Na nossa abordagem, abraçaremos a edição brasileira das Sept Leçons Sur L’être: Sete Lições Sobre o Ser, lançada pelas Edições Loyola e que conta com tradução de Nicolás Nyimi Campanário.

 Sobe |    
   Documentos da notícia:
 Jacques_Maritain_Tradicao_Progresso_Sabedoria_Metafisica.pdf
  Copyright © filosofante.org.br 2008 - Todos Direitos Reservados