Várzea Grande/MT,
-
1 Usuário Online
Já temos  visitas
desde o dia 03/03/2008
  MENU
  FILOSOFIA
  TEOLOGIA
- Sites de Teologia
- Sites de Filosofia
- A Ética Filosófica em Tomás de Aquino
- Humildade e exaltação: A dinâmica do amor
- Deus é um seio – Narrativas evangélicas
- Marxismo: A “sacrossanta” anulação do amor ao próximo por amor à humanidade
- Deus, Filosofia e Vida – Uma primeira aproximação
Tomás de Aquino
Postado em:02/04/2016 às 15:51 
A Ética Filosófica em Tomás de Aquino
Como diria Gonzaguinha, começaria tudo outra vez, se preciso fosse! Certamente não da mesma forma, até porque  nu...
Postado em:28/03/2015 às 23:49 
Humildade e exaltação: A dinâmica do amor
Apesar de lançado agora, há muito escrevi este artigo. O autor do livro do Eclesiástico afirma: “Não ordenou a ninguém s
Postado em:01/03/2015 às 15:28 
Deus é um seio – Narrativas evangélicas
No filme de Mel Gibson, A Paixão de Cristo, o que mais me impressionou foi a absoluta fidelidade de Nosso Senhor a Ele m
Postado em:17/12/2014 às 12:34 
Marxismo: A “sacrossanta” anulação do amor ao próximo por amor à humanidade
Um dos rituais judaicos para expiação dos pecados consistia no fato de toda comunidade colocar as mãos sobre um bode e c
Postado em:30/09/2014 às 17:54 
Deus, Filosofia e Vida – Uma primeira aproximação
Há muito escrevi este texto. Não faço ideia em que gênero literário enquadrá-lo.  Também não julgo que seja desti...
Teologia Tomásica
por: - Data:09/02/2010 às Horário: 02:59
O teólogo da Encarnação: natureza e graça na teologia e no ensino de Tomás de Aquino
Anexos do Artigo: 

Neste texto pretendemos expor e fundamentar a tendência, predominante na teologia católica latina, de buscar a conciliação entre natureza e graça. Tentaremos realizar este projeto valendo-nos da teologia e do ensino de Tomás de Aquino, encarados sob a perspectiva da teologia da Encarnação. Neles, vige o adágio: gratia non tollat naturam, sed perficiat. De fato, para Tomás, o sobrenatural não dispensa o natural; antes, pressupõe-no: gratia praesupponit natura. Destarte, ao longo deste trabalho, esforçar-nos-emos para mostrar, através de todos os textos tomásicos que frequentarmos, como, neles, a graça e o sobrenatural não agem como remendos de uma coisa malfeita chamada natureza e sim como disposições que agem em sinergia com a natureza criada, elevando-a. Laboraremos para tornar evidente que, na teologia e no ensino de Tomás, a graça é como uma segunda criação, deveras mais admirável que a primeira, mas que não a anula, senão que a sobreleva. Em outras palavras: a graça é “sobre-natural” e não “anti-natural”.

Ora, para levarmos a termo estas afirmações, nosso texto comportará duas fases. Na primeira, concentrar-nos-emos, antes de tudo, numa concisa definição dos termos “natureza” e “graça” em Tomás. Em seguida, elegeremos alguns tópicos da teologia tomasiana, onde, segundo nos parece, torna-se particularmente evidente esta harmonia entre o natural e o sobrenatural, sempre abordados a partir da ótica da Encarnação. Tais tópicos são: a Encarnação propriamente dita, os sacramentos encarados como prolongamentos, na história, da Encarnação, e a virtude teologal infusa da caridade entendida como uma amizade sobrenatural entre o homem e Deus fundada também na Encarnação do Verbo. Na segunda parte, empenhar-mos-emos para demonstrar como Tomás aplica estes princípios basilares da sua teologia na pedagogia e na didática do seu magistério teológico. Por fim, aplicar-nos-emos em ressaltar como o procedimento analógico, que é o modo pelo qual Tomás expõe os mistério da fé, não corrompe a fé e nem esgota o mistério. De resto, por todo o nosso texto, esmeraremos por tornar patente que o mistério da Encarnação perpassa toda a teologia e todo o ensino tomásico, fundamentando, neles, esta síntese admirável que Frei Tomás realiza entre natureza e graça.

Resta lembrar que a nossa abordagem não visa discorrer sobre a Encarnação, os sacramentos e a caridade exaustivamente, mas somente na medida em que estes tópicos fundamentam a ideia de fundo da nossa pesquisa: a graça supõe a natureza e a aperfeiçoa na teologia e no magistério de Tomás. Por isso, na Encarnação nos interessa, mormente, o fato de nela Deus assumir e assuntar a natureza humana. Nos sacramentos, nos interessa notar, sobremaneira, o fato de, neles, a salvação conquistada por Cristo no Calvário ser aplicada aos homens por meio de sinais sensíveis ascendidos à dignidade sacramental. Na caridade – virtude teologal – importar-nos-á, sobremodo, salientar a relação que Tomás faz dela com a amizade humana: Deus se fez homem para ser também amigo do homem.

Na nossa abordagem, privilegiaremos, entre as obras do autor – em ordem cronológica –, as seguintes: a Summa contra Gentiles (1258 a 1264), máxime o livro quarto, na tradução brasileira de Odilão Moura, revista recentemente (1996) pelo Prof. Dr. Luis Alberto De Boni; a Summa Theologiae (1266-1274) – obra-prima do autor – composta entre os anos 1266 a 1272. Transitaremos por ela na nova tradução brasileira que recebeu – empresa de fôlego das Edições Loyola – e que resultou no aparecimento de nove volumes, entre os anos de 2001 a 2006. Dentre os comentadores, servir-nos-ão de suporte: Garrigou-Lagrange, na sua excelente La Sythèse Thomiste, pela tradução castelhana de Eugenio S. Melo – La Síntesis Tomista – única autorizada do original francês e lançada pelas Ediciones Desclée de Brouwer, e Maurílio Teixeira Leite Penido, no seu clássico O Mistério da Igreja, que consta do primeiro volume da coleção Iniciação Teológica, editada pela Vozes. Por fim, disporemos de inúmeros textos bíblicos.

 Sobe |    
   Documentos da notícia:
 Natureza_Graca__Teologia_Ensino__Tomas_Aquino.pdf
  Copyright © filosofante.org.br 2008 - Todos Direitos Reservados