Várzea Grande/MT,
-
2 Usuários Online
Já temos  visitas
desde o dia 03/03/2008
  MENU
  FILOSOFIA
  TEOLOGIA
- Sites de Teologia
- Sites de Filosofia
- A Ética Filosófica em Tomás de Aquino
- Humildade e exaltação: A dinâmica do amor
- Deus é um seio – Narrativas evangélicas
- Marxismo: A “sacrossanta” anulação do amor ao próximo por amor à humanidade
- Deus, Filosofia e Vida – Uma primeira aproximação
Tomás de Aquino
Postado em:02/04/2016 às 15:51 
A Ética Filosófica em Tomás de Aquino
Como diria Gonzaguinha, começaria tudo outra vez, se preciso fosse! Certamente não da mesma forma, até porque  nu...
Postado em:28/03/2015 às 23:49 
Humildade e exaltação: A dinâmica do amor
Apesar de lançado agora, há muito escrevi este artigo. O autor do livro do Eclesiástico afirma: “Não ordenou a ninguém s
Postado em:01/03/2015 às 15:28 
Deus é um seio – Narrativas evangélicas
No filme de Mel Gibson, A Paixão de Cristo, o que mais me impressionou foi a absoluta fidelidade de Nosso Senhor a Ele m
Postado em:17/12/2014 às 12:34 
Marxismo: A “sacrossanta” anulação do amor ao próximo por amor à humanidade
Um dos rituais judaicos para expiação dos pecados consistia no fato de toda comunidade colocar as mãos sobre um bode e c
Postado em:30/09/2014 às 17:54 
Deus, Filosofia e Vida – Uma primeira aproximação
Há muito escrevi este texto. Não faço ideia em que gênero literário enquadrá-lo.  Também não julgo que seja desti...
Teologia Natural Tomasiana
por: - Data:21/09/2008 às Horário: 22:38
O Esse de Deus em Tomás de Aquino
Anexos do Artigo: 

Após conhecermos que algo é, resta-nos saber como ele é – o seu “quomodo” – para, afinal, sabermos o que ele é (quid sit). No caso de Deus, porém, já que não temos como conhecer o seu “quomodo”, não há, por conseguinte, como sabermos o que Ele é (quid sit). Destarte, aqui, teremos que proceder de forma diferente. E o modo como procederemos é o seguinte: conquanto não possamos conhecer o como Deus é (quomodo sit) ao conhecermos as suas criaturas, podemos, ao menos, averiguar o como Ele não é (quomodo non sit). Daí estarmos em condições de verificar, pelo menos, o que Ele não é (quid non sit).  Isto se dará do seguinte modo. Afastaremos dEle tudo o que for indigno e incompatível à sua natureza. Desta feita, poderemos chegar a determinar, ainda que tão somente de forma negativa, o que seja a natureza divina.

Sem embargo, nesta empreitada, a primeira coisa que Tomás descarta da natureza de Deus, é toda e qualquer forma de composição. De fato, a simplicidade é o primeiro atributo de Deus a ser arrolado pelo Aquinate. De resto, é o mais importante a ser estabelecido. Com efeito, a constatação da simplicidade divina não é senão uma dedução procedente das próprias cinco vias da existência de Deus. Tal dedução consiste em afastar dAquele cujo ser é simplesmente e unicamente ser (esse), toda forma de não-ser, ou seja, tudo aquilo que o pudesse limitar no seu ser (suum esse), afetando, desta feita, a sua unicidade. Portanto, no fim do estudo da natureza divina, reencontrar-nos-emos com o mesmo Ato Puro de Existir que as das cinco vias nos atestaram: “Que se pode esperar achar ao término da análise que se anuncia, senão o ser puro de tudo aquilo que não seja o ser?”

Com efeito, o estudo da natureza divina em Tomás é um corolário espontâneo das provas da existência de Deus. Sendo assim, será a constatação da simplicidade divina o pressuposto de todos os demais atributos divinos, pois será ela que nos irá explicitar o que já estava antes implícito na própria demonstração da existência do Ato Puro de Existir. Deste modo, o estudo dos atributos divinos será como que um prolongamento das provas da existência de Deus e seu desenvolvimento natural, esclarecendo-nos o que é condizente ou não com a natureza deste Ato Puro de Existir. De sorte que a questão da simplicidade divina é o fundamento de qualquer estudo dos atributos divinos.

No presente texto, tentaremos fazer o mesmo caminho que Tomás percorreu para chegar à simplicidade divina. Antes de tudo, apresentando as razões, excluiremos a possibilidade de Deus ser um corpo. Em seguida, eliminaremos a possibilidade de que a substância divina seja composta de matéria e forma. Após isso, passaremos a afirmar a identidade, em Deus, entre essência e substância. Continuando, esmeraremos por tornar claro que em Deus existe uma identidade entre essência e ser (esse), que o torna um Ato Puro de Existir. Nisto consiste a simplicidade divina: a identidade entre substância, essência e ser. Concluiremos contemplando alguns corolários inferidos a partir da absoluta simplicidade do Ipsum Esse Subsistens.

 Sobe |    
   Documentos da notícia:
 Esse_Deus.pdf
  Copyright © filosofante.org.br 2008 - Todos Direitos Reservados